My Photo

DISCLAIMER


  • A Chefe Suprema da Redação reserva-se o direito de eliminar todos os comentários que considerar ofensivos, mal-educados, inapropriados ou... simplesmente estúpidos. A Chefe Suprema da Redação é juíza e jurada e não reconhece nenhum direito de apelação. Os incomodados que vão cantar em outra freguesia.

« Lisboa | Main | Ainda a reforma ortográfica »

Comments

Mary

Maura, que coisa. Estou aqui meio sem saber se gosto ou não das mudancas. Acho feio não ter acento na terceira pessoal do plural, além de achar meio absurda a queda do acento agudo dos ditongos abertos e das paroxítonas. Nossa... vou ter que voltar pro banco escolar pra me safar. Imagino que vocë deva estar se preparando pra essa virada também, não? Beijocas. PS.: vou copiar post pra evitar erros no futuro.

Claudio

Talvez eu seja considerado um 'herege', mas fico muito feliz com o desaparecimento do trema. Requiescat in pace ...
Quanto às demais alterações, peço emprestado o slogan criado por Fernando Pessoa para a Coca-Cola: "primeiro estranha-se, depois entranha-se!".

Maura

Mudanças sempre causam estranhamento Maria. Principalmente ortográficas. Ao contrário do Cláudio (que finalmente apareceu na caixa de comentários do Diário de Lisboa!) eu vou sentir saudades da trema.

E, sim, preciso me preparar psicologicamente para a mudança. E espero que a Microsoft lance um corretor ortográfico novo o mais depressa possível porque sempre vai escapar alguma coisa. :-)

Suzana

Mas será que dessa vez vai? Acho que ouço falar de reforma ortográfica desde o meu primário - e eu sou quase avó...

anlene

Ai meus sais... Vou fazer uma salada e tanto, porque muitas coisas vão se aproximar ao espanhol! Sem ñ e ll, por supuesto! Obrigada pela dica, como a Maria, vou copiar o post. Beijos

leticia

Eu adoro acentos e também sou fã do trema. Me mandaram um e-mail ontem com o texto desse post e quase chorei de tristeza. Mas a gente se acostuma com tudo nessa vida, né não...

eduarda maria

tudo evolui e a linguagem não pode ser excepção. mas dificilmente deixarei cair as letras mudas "c" e "p". o meu corrector ortográfico visual dá erro ;)
seja como for, andava para vir aqui deixar um comment há imenso tempo. gosto de ler este blog.

Pedro Aniceto

Onde se pode saber mais sobre esta matéria? Obrigado

Maura

Susana: Houve uma reforma ortográfica em 71.

Anlene: vá se preparando psicológicamente (risos)

Letícia: sim, a gente se acostuma com tudo...

Eduarda: obrigada pelo elogio e não se preocupe, tenho certeza que novos corretores ortográficos serão lançados

Pedro: sei que a revista Isto É fez uma matéria a respeito no começo de abril. A Folha de São Paulo e a Agência Lusa também.

Acho que a melhor opção é fazer uma busca no Google.

eveli

...tento certeza q antes de completar 80anos terei me acostumado a nao usar alguns acentos...bjs!

Francisco Aragão

Concordo com a Suzana, ouço falar da implantação desta reforma desde criança e ela sempre ficando pras kalendas graecas. Reforma muito timida por sinal, qual a necessidade da crase e da acentuação das palavras proparoxitonas?

João V.

Considerando que os portugueses em Portugal já falam brasileiro, agora só falta escreverem também. É triste, na minha opinião.

eliezer alves mota

temos que nos unir para sobrevivermos , acho válido, se falamos a mesma lingua por que escrevermos diferentes?

Jefferson

Na minha opinião as consoantes mudas "c" e "p" é uma característica própria da língua européia, com essas mudanças a língua perderá ainda mais a sua indentidade, como sou brasileiro eu tenho ainda menos contato com essas consoantes mudas, que na minha opinião deveriam sim ser pronúnciadas, a pergunta que faço a todos é "Vale a pena perder as origens em prol da unificação?". Com a globalização, que prefiro chamar de "união mundial", os povos estão perdendo a sua própria identidade, acabar com as diferenças pode ser bom pra todos os países e pra uma possível "paz" mas aprender a conviver com as diferênças seria tão difícil?
OBS: A diferença idiomáticas entre os países de língua portuguesa não são tão diferentes a ponto de nescessitar de modificação.

The comments to this entry are closed.